Governo afirma que os negócios da Telexfree não são sustentáveis



No dia 14 de fevereiro a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (Seae/MF) divulga que acredita que o Telexfree, que nada mais é do que a venda de pacotes pela internet (tendo sua sigla em inglês VoIP) não é sustentável, isso segundo o esquema de pirâmide financeiras, o que é um crime contra a economia popular. A companhia que é responsável por este tipo de negócios a Ympactus Comercial LTDA não tem nem um tipo de vinculo ou parceria com as operadoras de telefonia tanto móvel como fixa, onde o ministérios não pode garantir nem um tipo dos sérvios de VoIP oferecidos pela empresa.

Para quem não sabe o TelexFree comercializa sistema de telefonia VoIp, isso através do marketing multinível, que funciona da seguinte forma. Cada vendedor recebe uma comissão por atrair mais vendedores para o negocio. Assim a grande suspeita é que o negocio funciona como uma espécie de pirâmide, onde os Ministérios da fazenda e da Justiça de Pernambuco, Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia, Acre e Espírito Santo já vem investigando as mais possíveis irregularidades que podem estar por traz deste negocio.

Segundo alguns indícios existentes de duas irregularidades ajudam com que seja estimulada a economia informal, isso por conta de que os ganhos financeiros mais substantivos não vem dos anúncios postados mas sim do ingresso de novos divulgadores na rede. Então para que tenha uma noção se não tiver mais nem um tipo de interessado para entrar na rede não tem como dar continuidade para sustentar o negocio.

Rebatendo Horst Fuchs vai contra as conclusões da Telexfree. No que se trata de sustentabilidade o advogado ainda afirma que os preços das contas VoIP já vem embutido uma remuneração para os divulgadores, e que não há nem um tipo de oferta de ganhos altos e em um curto prazo. O defensor ainda afirma que as comissões proporcionadas pelas vendas dos pacotes de serviços vêm sendo de 1 a 2€ do total do preço do pacote. Assim é muito importante que você fique de olho antes de entrar para este negocio, para que não entre em nem uma furada e que não tenha nem um tio de perda.